SE A GENTE NÃO EXISTISSE, QUE DIFERENÇA FARIA?

Mario Sergio Cortella e as lições para uma vida instigante


Em palestra para servidores no auditório Dois Candangos, o filósofo listou três elementos fundamentais para encontrar a felicidade no trabalho: coragem, capricho e vitalidade

“A vida é muito curta para ser pequena”. A mensagem vem de um homem de mais de um metro e oitenta centímetros de altura, barba robusta com falhas brancas, sorriso permanente, terno preto e bem cortado. Em 60 minutos, em pé e com microfone na mão, Mario Sergio Cortella ensinou um grupo de pouco mais de 60 servidores e estudantes a manter uma vida empolgante. O filósofo que acumula experiência de 35 anos de ensino e pesquisa na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo defende que “já basta a vida ser curta”. “Ao menos, que não seja pequena”, emenda.
O filósofo defende três virtudes para fazer com que a vida não seja inútil, fútil nem vazia. Coragem, capricho, vitalidade. “Para que a vida seja pequena, basta perder a coragem”, afirma. “É preciso ânimo para frequentar uma universidade, realizar um trabalho, constituir família, ser decente”, 
Professor titular do Departamento de Fundamentos da Educação e da Pós-Graduação em Educação da PUC, Mario Sergio diferencia trabalho de emprego. “Emprego é fonte de renda, trabalho é fonte de vida, aquilo que você faria até de graça”, define. E dá uma lição de ânimo aos servidores desmotivados com a função que exercem e os baixos salários, considerado por ele os principais problemas enfrentados pela categoria. “Os funcionários prestam um trabalho de imensa relevância social. Sem eles, a atividade acadêmica seria impossível. Mas alguém precisa contar isso a eles. Há uma falha que é nossa, administrativa”, disse.
Para Mario Sergio, coragem não é a ausência do medo. “Coragem é a capacidade de enfrentar os temores”, defende o autor de mais de 13 livros, admirador de Darcy Ribeiro e Rubem Alves, que considera “duas grandes inteligências e dois grandes servidores públicos” e aluno de Paulo Freire. E lança uma provocação. “Você tem medo de cachorro?”, indaga a uma estudante. “Ótimo que tenha. Significa que nunca será mordida, mas será que tem coragem de enfrentar o cachorro?”.
A indagação tem propósito motivador. Mario Sergio lembra que medo é diferente de pânico. “Medo é o que te deixa em estado de alerta”, define. “Pânico é o que te paralisa, é a incapacidade de ação”, acrescenta, provocando gargalhadas ao relatar histórias sobre seu medo de cobra e seu pânico de baratas. “Quem diz que não tem medo, não é corajoso. Pelo contrário, é inconsequente, vulnerável”, acrescenta, lembrando Aquiles, o personagem histórico que morreu na Guerra de Tróia “porque achou que era invulnerável”.
EPITÁFIO – Para Mario, além de coragem, é preciso vitalidade. “Vocês conhecem gente morna?”, pergunta Mário Sergio à plateia. “Morna no trabalho, morna no casamento, morna na família”, explica. “Como qualquer pessoa morna, servidor morno tem um trabalho morno”, avisa. E em tom quase profético anuncia aquilo que ele mesmo define como o óbvio: “Nós vamos morrer”. E aí mais uma provocação. “A questão é: quando você for, o que vai deixar? Então, não espere pelo epitáfio”, afirma, fazendo referência a um de seus 13 livros, o que leva o título “Não espere pelo epitáfio…”.
Para não esperar pelo epitáfio e garantir que a vida não seja vazia, pequena e superficial, Mario Sergio sugere criar raízes que o mantenham vivo mesmo depois da morte. “Só há um jeito de ficar e é na história que construí, nas amizades que conquistei, nas obras que deixei”, afirma. Ele lembra, entretanto, que para garantir uma boa história de vida é preciso não ser medíocre. “Gente assim é que fica na média”, define. Mario Sergio defende uma vida pautada pelo capricho. “Capricho é a capacidade de fazer o teu melhor nas condições que você tem”.
Mario Sergio recomenda palestras de esclarecimento sobre o trabalho e motivação pessoal. “Vamos exercitar uma reflexão com os próprios servidores com a seguinte pergunta: se a gente não existisse, que diferença faria?”, propôs. Para a secretária de Recursos Humanos da UnB, Gilca Starling, a palestra foi valiosa. “Queremos tirar os servidores do estado morno, mostrar quem eles são”, disse. A diretora de Capacitação da Secretaria de Recursos Humanos, Fátima Brum, defendeu a criatividade como uma forma de estimular a vivacidade defendida por Mario Sergio. “A criatividade é capacidade de ir além do óbvio”, disse.
Quem é Mario Sergio Cortella
Mario Sergio graduou-se em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira, em 1975. É mestre e doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é professor-titular do Departamento de Fundamentos da Educação e da Pós-Graduação em Educação da PUC-SP, na qual está desde 1977, tendo nela atuado por 32 anos no Departamento de Teologia e Ciências da Religião. É também membro do Conselho Técnico Científico Educação Básica da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s