O QUE É UMA MULHER?

Homenagem ao dia Internacional das mulheres escrita por Carime Elmor, universitária do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Juiz de Fora em 08/03/2014.

“Ele é o Sujeito, ele é o Absoluto. Ela é o outro.” (Simone de Beauvoir)
Sensíveis e lânguidas no romantismo, sensuais e desejadas de acordo com padrões; humanas, inteligentes, covardemente oprimidas. (Des)movidas por sentimentos de culpa dos fardos que lhes foram jogados no colo. A aceitação é o retrocesso, mas a luta nasceu muito antes do que podemos imaginar.
Dizer que as mulheres são muito mais capazes do que elas mesmas foram forçadas a acreditar, é um argumento que já se tornou lugar comum, por isso, para esse dia internacional da Mulher vamos parabenizar a força daquelas que transformaram pensamentos tão enraizados de uma construção social machista e patriarcal.
Na Coréia e no Japão foi preciso a estatística mostrar que o alcance do papel econômico das mulheres era estratégia fundamental para o crescimento do PIB, para que fossem tomadas medidas a fim de suprimir a não participação feminina no mercado de trabalho.
 
No Brasil, o movimento da Marcha das Vadias ganha as ruas de São Paulo em meados de 2011, no mesmo ano em que se iniciava no Canadá. Mylena Melo, estudante de Jornalismo da UFJF, participa da marcha e fez uma reflexão sobre a data comemorada mundialmente no dia 8 de março: “A luta feminista não pode ser ignorada. O dia da mulher é muito importante também pra chamar atenção sobre isso. Infelizmente, a data perdeu seu significado principal, a publicidade usa o dia pra vender chocolate, perfume, maquiagem, ou seja, o padrão social de mulher. Mas é aí que entra a continuidade da luta feminista em mostrar essa deturpação e destacar a importância de um dia como esse, enquanto marco de uma luta”.
O curioso é que desde o século XVIII pensamentos femininos revolucionários já contestavam o comportamento social da mulher. Mary Wollstonecraft em 1792 publicou o primeiro grande tratado feminista, A Vindication of the Rights of Woman (Uma defesa dos direitos da mulher). Em uma época em que as mulheres viviam para seduzir e servir aos homens a fim de serem sustentadas, ela defendeu que as mulheres precisavam ter a liberdade de ganhar seu próprio dinheiro, conquistando a própria autonomia.
Mais tarde, em período próximo a primeira guerra mundial, Emmeline Pankhurt, lutava para que o direito das mulheres ao voto (sufrágio) não fosse ignorado. Juntamente com outras ativistas, conhecidas como “Sufragetes”, ela fundou em 1903 o Sindicato Social e Político das Mulheres que em desobediência civil, agia com caráter de militância. Ainda em 1913, Pankhurst afirmou “Ou se matam as mulheres ou se lhes dá o voto”. Logo após o fim da guerra, as mulheres na Grã-Bretanha começaram a conquistar esse direito.




Já no século XIX o conceito de feminismo se espalhava e começava a questionar a diferenciação discriminatória existente entre os sexos no ambiente de trabalho. Simone de Beauvoir mesclou os argumentos feministas com sua visão filosófica existencialista e toda vez que se questionava sobre quem ser, a primeira coisa que pensava era “Eu sou uma mulher”. Essa reflexão formou a base de seu livro “O Segundo Sexo” que lançava o conceito de “sexismo” e indagava se as mulheres nasciam ou eram criadas pelos preconceitos da sociedade. 
Feministas ou não, revolucionárias ou não, o dia internacional das mulheres é de todas. Mas se as mulheres tem a consciência de que são produtos das expectativas da sociedade, elas podem sempre querer quebrar essas limitações e seguir o exemplo dessas três grandes mulheres que tiveram ideias surpreendentes a frente do próprio tempo.
 
Texto por Carime Elmor
 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s